Histórico do Porto de maceió

A previsão de melhoramentos no ancoradouro da cidade de Maceió data de 1875. Em 1896, a empresa The National Harbour Company Ltd. obteve a concessão do Porto nos permissivos da Lei Imperial nº 1.746, de 13 de outubro de 1869, mas não conseguiu realizar as obras determinadas, sendo o contrato rescindido, em 1905, pelo Governo Federal.

A partir de 1910, novos estudos foram elaborados, mas, por razões de ordem financeira, não foi possível dar continuidade ao desenvolvimento das instalações do Porto de Maceió. Pelo Decreto nº 23.469, de 16 de novembro de 1933, a União autorizava o governo do Estado de Alagoas a construir e explorar comercialmente o Porto. Em 1935, tinha início a execução do atual projeto, a cargo da Companhia Geral de Obras e Construções S.A. – GEOBRA, ocorrendo a inauguração do Porto de Maceió, em 20 de outubro de 1940.

Todavia, as operações só vieram a começar oficialmente em 23 de janeiro de 1942, quando houve o primeiro embarque de açúcar. Em 9 de agosto de 1963, era editado o Decreto nº 52.345, transferindo a vinculação da Administração do Porto de Maceió para o Governo Federal, através do Departamento Nacional de Portos e Vias Navegáveis - DNPVN. Em 1975, o Governo Federal criava, sucedendo ao DNPVN, a Empresa de Portos do Brasil - PORTOBRÁS, que foi extinta em 1990, ocasião em que o Porto de Maceió vinculou-se à Companhia Docas do Rio Grande do Norte – CODERN, através de um Convênio firmado com a Secretaria Nacional de Transportes – SNT e o Departamento Nacional de Transportes Aquaviários - DNTA.

Ao longo de sua existência, o Porto de Maceió teve sua estrutura aprimorada, a partir da realização de diversas obras de expansão.

Em 1974, o aterro hidráulico que propiciou a implantação do Terminal Açucareiro e do novo Cais Comercial, totalizando 750 metros de linha de cais.
Em 1978, o novo acesso rodoviário, enrocamento externo e uma rede de energia elétrica.

Em 1989, iniciava-se a construção do píer petroleiro, cuja conclusão se deu em 1995.
No ano de 1996, o Porto foi beneficiado com obras de dragagem no canal de acesso e na bacia de evolução do Cais Comercial.

De dezembro de 2001 até fins de 2011, houve a construção do Cais de Contêineres, prolongando-se o Cais Comercial em 80 metros, conectado à extremidade norte do Terminal Açucareiro e formando uma dársena com 350 metros de extensão.

NA RETROÁREA

Pátio pavimentado com área de 26.000m² para movimentação e estocagem de contêineres.

Berço com profundidade de 08,50m, preparado para operar navios das frotas mais modernas do mundo, tipo Panamax.